novembro 2014

MATÉRIAS DE NOVEMBRO DE 2014 DO JORNAL ATIVIDADE FÍSICA, NÚMERO 181

 

1 - Corpore

Dr. David Cytrynowicz – Presidente

Dr. Amadeu Armentano – Presidente do Conselho Deliberativo da Corpore

Prezado(a) corredor(a),

Primavera quente, verão daqui a pouco, espelho em casa me olhando, acusando, refletindo uma imagem que juro não ser minha, ou ao menos, não gostaria que fosse, mas é.

Pânico quase geral e fuga imediata, correria mesmo, atrás de academia, regimes milagrosos indicados pela amiga e ou amigo do peito, corrida, natação, arremesso de pipoca ou qualquer milagre que me faça voltar a ser o que eu era.

Triste sina dos descuidados, a cada verão.

Triste notícia, milagres, ao menos nesses casos, não existem.

Dura realidade e aí reside o perigo.

Exageros, falta de preparo adequado, Maria vai com as outras e outros atalhos que podem levar a consequências sérias.

Cuidar do físico é, antes de tudo, postura ante a vida, ante si próprio.

Cuidar do corpo, da alma e do intelecto, com constância e bom senso, é o caminho mais acertado para a saúde.

Antes de tudo, procurar médico para saber dos seus limites e, após, profissional competente de educação física que apontarão se e de quais profissionais você irá necessitar.

Vocês deverão estar se perguntando do porque deste assunto recorrente e eu digo que, embora já batido e rebatido, a cada ano aumenta o número de desavisados e imprudentes, criando frustrações e consequente afastamento de uma vida mais sadia, quando não nos deparamos com problemas de ordem médica bastante severos.

Basta que nos inteiremos, nos noticiários.

Outro alerta, aí não para os iniciantes, mas para aqueles que já são atletas e, aqui, particularmente para os que já correm, com distâncias sub meia maratona e que almejam-na ou no voo mais alto, a Maratona.

As sugestões pouco diferem das acima só que com um agravante, a pessoa já está mais confiante, dona de si, e tristemente noto a banalização da longa distância, como se fora coisa corriqueira, comum ou apenas diletante.

NÃO É!

Fujam de qualquer técnico ou pessoa que quiser dar esta impressão.

Longa distância É COISA SÉRIA, há risco SIM, é necessário todo respeito.

Saiba dos seus limites e encare tudo com humildade.

Os melhores resultados para você, certamente virão.

Abraços

Armentano

 

2 - Teoria e treinamento de corrida Runyoga

www.atividadefisica.net/runyoga

Prof. Roberto Losada Pratti – Diretor do jornal Atividade Física

Runyoga é a corrida que tem como fundamento o ato de correr e equilíbrio físico, mental e social

A teoria de corrida Runyoga parte de definições e princípios e chega a conclusões e a treinamento por meio de raciocínio lógico.

A Matemática parte de definições e postulados e chega a teoremas demonstrados a partir daí. O postulado é um ponto de partida. Por exemplo, na geometria, duas retas paralelas não se encontram. Na geometria não-euclidiana, um postulado é que a intersecção de duas retas paralelas não é um conjunto vazio.

Igualmente, a teoria Runyoga parte de definições e princípios e chega a conclusões e treinamento, válidos para essa teoria com essas premissas.

I - DEFINIÇÕES DO DICIONÁRIO RUNYOGA

            Runyoga: corrida prazerosa e harmoniosa que segue um conjunto de princípios e definições, com base no ato de correr, cujo resultado é equilíbrio físico, mental e social.

            Correr: movimento natural, sincronizado e harmonioso em que há momentos nos quais os dois pés estão afastados do solo.

Observe que o corredor acima faz movimento sincronizado com os 2 pés afastados do solo momentaneamente.

            Ato de correr: passada sincronizada com minimização do gasto energético que tem como referência, em terreno plano, a perpendicularidade do eixo de simetria do corpo em relação ao solo.

            Andar: movimento em que sempre há um pé apoiado no solo.     

II - PRINCÍPIOS

Principal fundamento da Runyoga

O ato de correr é o principal fundamento da Runyoga. 

 

Movimento natural

Correr é um movimento natural que precisa ser exercitado para ser aprimorado.

Se o indivíduo for induzido a não correr na infância e voltar a correr somente em idade adulta, precisará determinar o ato de correr para que a corrida se torne novamente um movimento natural. Se isso não for feito, podem acontecer dores e lesões. 

 

Limites

Cada pessoa tem uma história com consequências no seu físico e uma vida contemporânea com compromissos e objetivos. Isso, aliado à genética, impõe limites ao corpo e ao treinamento.

Quem aplica o ato de correr e respeita os limites termina a corrida sem exaustão.

       

Emocional

Os sentimentos e a afetividade são alavancas para as atitudes em geral, inclusive para correr. 

 

  Interação com o ambiente

Interagir com o ambiente, tornando-o agradável, facilita a corrida.

Da mesma forma que você pode tornar o ambiente mais agradável por meio do convívio social, é importante correr onde se sente bem. Você pode preferir correr na academia, ou praias, ou parques, ou ruas, ou esteira, ou em qualquer lugar. 

 

     Integração corpo e mente

Correr não é apenas um movimento mecânico que pode ser ajustado por fórmulas.

Correr depende da integração corpo e mente.

       Bases do treinamento

Correr, sono, alimentação e hidratação são componentes do treinamento de corrida.

Correr constantemente fortalece o coração e desenvolve o sistema cardiovascular e o cardiorrespiratório.

Correr constantemente desenvolve a capacidade aeróbia (capacidade de produzir energia pela queima dos nutrientes, principalmente glicose e gordura, pelo oxigênio) o que proporciona correr distâncias maiores naturalmente.

Correr constantemente desenvolve a musculatura naturalmente evitando lesões e propiciando correr mais veloz naturalmente.

O sono é recuperador.

A alimentação repõe os nutrientes e é fonte de energia para a corrida.

Sensibilidade e descobertas

Correr adequadamente desperta sensibilidade e possibilita que o corredor descubra a melhor forma de correr, de se hidratar e de se alimentar. 

III - CONCLUSÕES A PARTIR DAS  DEFINIÇÕES E PRINCÍPIOS

Runyoga proporciona saúde e qualidade de vida.

Se a corrida trouxer desconforto, cansaço, algum problema ou a passada não for sincronizada, não é Runyoga.

Se o principal objetivo for competir ou superação, então o prazer, a harmonia e o equilíbrio físico, mental e social não são o foco mais importante da corrida. É possível que surjam problemas, por exemplo, canelite, tendinite, condromalácea patelar, fascite plantar, lombalgia, hipoglicemia, hipertermia, distensão muscular, overtraining, morte súbita, etc. Se houver tais consequências, essa corrida não é Runyoga.

Correr não é sinônimo de velocidade.
Uma pessoa pode andar mais rápido do que outra que corre.

Se o corredor utilizar doping para melhorar a performance, essa corrida não é Runyoga.

O ato de correr proporciona maior evolução do que andar assincronicamente na mesma velocidade.

Correr emagrece porque há queima de glicose e gordura.

Correr constantemente fortalece o corpo e desenvolve habilidades de corrida.

Quem aplica o ato de correr corre de forma leve e ritmada.

Runyoga proporciona correr mais veloz, pois aumenta a energia, fortalece a musculatura, minimiza o gasto energético e respeita os limites integrando corpo e mente, o que evita desgaste e problemas.

RUNYOGA É SABER CORRER

IV - TREINAMENTO INTEGRADO DE CORRIDA

Treinamento integrado é o treinamento que desenvolve as habilidades de corrida de forma natural, prazerosa e harmoniosa, através da própria corrida, aplicando o ato de correr também em subidas e descidas, proporcionando saúde e qualidade de vida.

Fortalecimento sem sobrecarregar o corpo – Um eixo imaginário de simetria divide o corpo em duas partes iguais. Se a passada for sincronizada, os movimentos realizados pelo lado direito são iguais aos do lado esquerdo. O treino fortalece o organismo sem sobrecarregar partes do corpo e não surgirão dores e lesões. O gasto energético não é demasiado, o que livra de vários problemas, inclusive graves.

Aumento da distância percorrida - O treinamento aumenta a capacidade aeróbia e, consequentemente, a energia possibilitando correr distâncias cada vez maiores.

Boa condição física no final do treino - Durante o treino, o corpo produz glicose hepática que também é utilizada pelo cérebro. Além disso, como a passada é sincronizada e o gasto de energia é pequeno, a corrida é prazerosa e harmoniosa e há interação com o ambiente, o corredor termina o treino em condições físicas e psíquicas iguais e até melhores do que no começo do treino. Os compromissos pós-treino, como trabalhar, se tornam mais produtivos.

Prevenção de doenças e lesões - O aumento das distâncias implica em exercitar mais o coração, fortalecendo-o. Concomitante, os diâmetros das artérias aumentam e o número de artérias também aumenta, havendo maior circulação de sangue e oxigênio, portanto, o aparelho cardiovascular fortalece. O sistema imunológico melhora e o organismo fica menos vulnerável a doenças. A musculatura das pernas também melhora, pois está sendo exercitada, o que minimiza a probabilidade de lesões.

Treino de musculação em aclive - Treino em subida com o ato de correr. A principal virtude desse treino é o fortalecimento muscular ideal para a corrida, sem excessos, pois é feito através da corrida norteado pelo ato de correr. A musculatura do joelho fortalece e não ocorrerão dores e problemas nessa parte tão delicada e essencial para o corredor.

Treino de velocidade em declive - Treino em descida com o ato de correr, com passada longa em que a perna vem de trás - utilizando a aceleração da gravidade - vai para frente, a planta do pé toca levemente no solo e, como uma mola, impulsiona o corpo. Como a passada é sincronizada e sem forçar, nenhuma parte é sobrecarregada, nem o joelho. O corpo flutua no ar em alta velocidade. O batimento cardíaco é baixo.  Além de ser treino de velocidade, aprimora a sincronia da passada. Isso tornará o corredor mais veloz. Porém, esse treino pode não ser de fácil execução.

Ato de correr pode ser veloz - Se um corredor percorrer um km em descida em 3 minutos sincronizadamente e com minimização de gasto energético, com batimento cardíaco baixo, está praticando o ato de correr.

Correr é um descanso - A corrida minimiza o estresse e traz bem-estar. Correr passa a ser necessidade e, em vez de cansar, é um descanso.

Número de treinos por semana – Como treinar dessa maneira é um descanso e um momento de paz, o corpo pede para treinar diariamente.  Se, por exemplo, houver férias de trabalho ou escola, o organismo solicitará para treinar todos os dias e por mais tempo.

O destino pode ser a ultramaratona – Se os compromissos e consequente falta de tempo para correr não forem obstáculos intransponíveis,  as distâncias percorridas serão cada vez maiores, sendo possível correr mais do que 42 km em perfeitas condições.

Participação em grande número  de corridas – A condição física e a sensibilidade adquiridas permitem que, se o corredor quiser, participe de muitas corridas e termine todas em perfeitas condições. Essas corridas ajudarão a melhorar ainda mais a condição física, trarão experiência e motivação para treinar, além de servirem de lazer.

Runyoga e competição – Quem corre seguindo os princípios da Runyoga tem o corpo adaptado, respeita os limites, tem sensibilidade para correr e, por isso, se tiver potencial genético, pode competir, atingir o objetivo e concluir em boas condições físicas a competição.

Correr não é obrigação: Correr é importante para a saúde, mas ninguém é obrigado a correr e ser campeão. Ninguém deve correr porque os amigos correm. Quem não gosta de correr deve praticar a atividade física que mais gosta.

V - COMO TREINAR: TREINO CONTÍNUO, GRADATIVO E  PROGRESSIVO

O aumento da capacidade aeróbia disponibiliza mais energia ao corpo, o que implica em poder correr maiores distâncias.

O fortalecimento muscular também viabiliza isso sem lesões. Como não lesiona, pode treinar sempre.

A evolução não acontece instantaneamente.

A evolução é contínua.

A evolução é pouco a pouco, respeitando a condição individual, gradativa.

A evolução é progressiva.

Para evoluir o treino deve ser contínuo, gradativo e progressivo.

O treino depende da condição física e das habilidades de cada corredor.

Suponhamos que um cidadão sedentário esteja em más condições físicas e queira correr.

O sedentarismo e a obesidade causam danos ao organismo.

Uma avaliação médica com exames pode mostrar detalhes da situação física. Continuar inativo aumenta a probabilidade de doenças.

Depois de análise criteriosa e do diagnóstico médico ele pode iniciar, sempre lembrando que a definição de Runyoga é ter como resultado o equilíbrio físico, mental e social, isto é, saúde. 

Pela teoria acima, o desenvolvimento é natural, contínuo e progressivo.

A primeira providência é determinar o ato de correr específico desse cidadão. Se não conseguir determinar o ato de correr sozinho, pode ser acompanhado por quem pratica Runyoga e sabe determinar o ato de correr de outrem. O praticante correrá com ele. A velocidade pode ser próxima da velocidade de andar.

Determinado seu ato de correr, percorre pequenas distâncias em terreno plano. A evolução natural e gradativa desenvolverá a capacidade aeróbia, fortalecerá o organismo e refinará suas habilidades, fazendo com que o movimento sincronizado e adequado, com pequeno gasto energético, seja incorporado pela pessoa.

Depois disso, deve praticar o ato de correr em aclive, com pouca inclinação, para fortalecer os músculos utilizados na corrida.

A próxima etapa é aprimorar a sincronização e aumentar a velocidade treinando em declive, com pouca inclinação. Esse treino é dificílimo, pois, na descida, quem não tem essa habilidade tenta frear com medo de cair. Se frear, terá inúmeros problemas. Se não conseguir treinar sozinho em declive, pode ser acompanhado por quem pratica Runyoga e sabe conduzir a outra pessoa para que adquira tal movimento. Se o corredor não conseguir realizar o ato de correr em declive, deve substituí-lo por ato de correr em plano ou aclive.

Esse treinamento realizado do início até o treino em declive é um alicerce inabalável. A partir daí, o corredor pode determinar o próprio treino por toda a vida, que será longa e saudável.

 

3 - Clubes paulistas dominam Troféu Brasil Caixa de Atletismo

Mauro Roberto Chekin – Presidente Licenciado da FPA

Os clubes de São Paulo demonstraram, na 33ª edição do Troféu Brasil Caixa de Atletis­­­­mo, que o estado bandeirante é a locomotiva do País também na modalidade mais nobre de uma Olimpíada.

Tanto é que entre as dez primeiras equipes melhores qualificadas, oito são paulistas.

Nos três primeiros lugares, três consagrados clubes filiados à FPA.

A BM&FBovespa foi a campeã absoluta do torneio pela 13ª vez ao somar 534 pontos na classificação geral.

Nos segundo e terceiro lugares ficaram outras tradicionais equipes do atletismo nacional: o EC Pinheiros, da capital paulista, vice-campeão, com 399 pontos, e a Orcampi/Unimed, de Campinas (SP), terceira com 238,5.

A ASA/São Bernardo-CAIXA, ficou em quarto, somando 154,5 pontos.

Em sexto, a FCTE e Rezende Unimep Selam (76 pontos).

Em oitavo e décimo figuraram as equipes de São Paulo: GR Barueri (58 pontos) e ASSEM (42 pontos), respectivamente.

FPA parabeniza

A FPA parabeniza os clubes vencedores que, no maior evento nacional do atletismo brasileiro, fizeram tão bela figura.

O Troféu Brasil Caixa reuniu, este ano, cerca de 780 atletas, de 106 equipes, de 16 Estados e do Distrito Federal.

A competição foi uma realização da Confederação Brasileira de Atletismo, com patrocínio da CAIXA, apoio do Governo do Estado de São Paulo e da FPA.

Atletas destaques do torneio são da BM&FBovespa

Jucilene Sales de Lima e Darlan Romani, ambos da BM&FBovespa, foram eleitos os destaques individuais do 33º Troféu Brasil Caixa de Atletismo, que começou na quinta-feira dia 9 e terminou neste domingo 12, no Estádio Ícaro de Castro Mello, no Ibirapuera, em São Paulo.

Eles foram escolhidos por uma comissão de treinadores, nomeada pelo Congresso Técnico do evento, realizado na última quarta-feira, no Hotel Pestana, nos Jardins, na Capital paulista.

Jucilene bateu o recorde sul-americano do lançamento do dardo na tarde de sábado dia 11, com 62,89 m, superando uma marca de 12 anos, que pertencia à colombiana Sabina Moya, com 62,62 m.

Já Darlan quebrou na sexta-feira o recorde brasileiro do arremesso do peso, com 20,84 m. A marca anterior também era dele: 20,48 m, desde 2012.

 

 4 - 4 bilhões com sobrepeso no mundo e 700 milhões com obesidade

 Dr. Ruggero Bernardo Guidugli – consultor de medicina esportiva

Recente divulgação de dados da Organização Mundial de Saúde revela que a humanidade é composta por 7,5 bilhões de pessoas, sendo que mais da metade, 4 bilhões, apresenta sobrepeso, e 700 milhões, obesidade.

O IMC, índice de massa corporal, é calculado dividindo o peso pela altura ao quadrado, ou seja, IMC = peso/altura2. Sobrepeso é o resultado entre 25 e 30. Obesidade é o resultado maior do que 30.

No Brasil, a população de 202 milhões é composta por 52% de pessoas com sobrepeso, semelhante ao índice mundial.

A obesidade é considerada doença e pode vir acompanhada de hipertensão, diabetes, cardiopatias, e é considerada fator de risco para doenças neoplásicas.

É inquestionável o conceito de que para diminuir a obesidade há necessidade fundamentalmente de duas coisas: prática de atividade física e diminuição de ingestão calórica.

O tratamento agressivo da obesidade por meio de cirurgias e utilização de drogas para obter efeito imediato apresenta riscos e pode não surtir efeito a longo prazo, pois não combate a causa.

Parece haver passividade da política governamental na prevenção e controle da obesidade, permitindo que interesses econômicos agravem a saúde da população.

Assim, diante disso, todos nós temos o dever de divulgar o avanço do conhecimento científico que recomenda hábitos saudáveis e a prática da atividade física para combater a epidemia de obesidade.

 

5 - Receita e fórmula geral da saúde: FGS

Ariane Losada Pratti – Redatora do jornal Atividade Física

A medicina é autoridade em sa-úde.

Senso comum automático é pensar em médicos, planos de saúde, hospitais equipados, cirurgias e receitas com remédios milagrosos.

Surpreendentemente não é essa a receita recomendada pela Organização Mundial da Saúde para a obtenção da saúde.

A receita é simples e caseira:

- Mantenha-se sempre em atividades físicas e mentais;

- Pratique atividade física;

- Afaste-se do tabaco, álcool e drogas (inclusive excesso de medicamentos);

- Tenha uma alimentação saudável rica em água, frutas e verduras;

- Mantenha um peso adequado evitando a obesidade;

- Fique em locais não poluídos respirando sempre ar puro;

- Evite estresse;

- Mantenha sempre um bom relacionamento com as pessoas.

Fórmula Geral da Saúde: FGS

Essa receita pode ser interpretada com siglas chegando à fórmula geral da saúde: FGS.

Sejam AF = Atividade Física,

HS = Hábitos Saudáveis,

AS = Alimentação Saudável

S = Sociabilidade

D = Drogas

E = Estresse

O = Obesidade

SQV = Saúde e Qualidade de Vida.

 

Com essas siglas acima pode ser escrita a fórmula geral da saúde: FGS
 
AF + HS + AS + S – D – E – O = SQV

 

6 - Corredor espartano e persistente sempre, mas querido por alguém

Mauro Saccomani

Muito me entristece quando escuto comentários que desdenham de um ser humano, de uma pessoa que começa a correr ou mesmo se exercitar levando o assunto muito a sério.

Na vida é importantíssimo ser persistente, radical, ter vontade de seguir quando tudo em nossa volta joga contra. Este tipo de pessoa, o persistente, abdica de tantas coisas boas, e para isso tem que ter coragem.

 O cara passa semanas, meses, resistindo comer o que gosta, não sai para aquele tradicional Happy Hour com os amigos, levanta cedo, chega mais tarde em casa depois dos treinos, fica menos tempo com a família, treina muito, sai da cama e do sofá e vai para a rua correr, e visa um momento de realização lá na frente, bem lá na frente.

 Desta forma, afirmo que é necessário ser espartano e persistente para transpor essa fase tão necessária de preparação, mas lembre-se, depois desta fase as decisões e opções serão outras, sua rotina mudará, será diferente, você saberá que poderá sim vencer um grande desafio e sem dúvida passará a ter um outro estilo de vida. 

Esse é o motivo de minha grande admiração pelas pessoas que não são patrocinadas, nem são atletas de elite, e que muitas vezes quase não têm tempo de treinar.

Assim como eu, poucos sabem dos esforços que fazemos para alcançar nossos objetivos, nossa linha de chegada, nosso treino diário.

O bacana de tudo isso é que nossos entes queridos que convivem  conosco no dia a dia acabam, de antemão, aceitando nossas escolhas, e o melhor de tudo isso, acabam sendo  grandes incentivadores de nossa rotina de treinos,  nos  animando quando bate aquele desânimo de final de dia, ou quando o céu está cinzento e com pouca cara de amigos. Essas pessoas tão queridas às vezes fazem a diferença e nos dão aquele impulso  e energia que falta para encher de eletricidade o nosso dínamo interno.   

No mundo dos esportes, encontrar inspiração é parte muito importante do processo.

Tenho meus carregadores de alegria e energia para buscar meus objetivos, a minha amada companheira, amiga e esportista, minha esposa, a Vivian, e nossa grande paixão, minha filha, que um dia, ainda pequenina, me disse uma frase mais do que incentivadora: “Papai, corra sempre feliz”.

Alguém precisa de mais energia do que isso?   

 

7 - Idade para competir em provas longas

Prof. Carlos Gomes Ventura

Provas consideradas longas exigem muito do atleta que deve ter boa condição física e emocional.

O corredor de prova longa deve treinar em LSD (distância longa e lenta), caso contrário pode prejudicar a saúde.

Ninguém deve participar de uma prova como a Maratona sem fazer um check-up médico em esforço.

A idade é um fator inquestionável, pois o resultado do corredor é a soma de todas as longas distâncias feitas nos treinos, sua condição de "endurance".

Idade alta como a de Carlos Lopes que participou das Olimpíadas de Los Angeles com 37 anos ou alguns corredores africanos longevos mostram a importância da maturidade física e principalmente emocional do corredor.

Atualmente temos visto jovens ainda na faixa de crescimento correndo provas como a Maratona ou Meias Maratonas e provas longas de rua. Talvez seus treinadores e responsáveis não saibam o quanto estão prejudicando o futuro atleta.

Esquecem alguns que o coração é um músculo que deve ser cuidado para sua hipertrofia adequada.

O bom atleta também deve ser maduro emocionalmente, talvez como um bom vinho adequadamente armazenado, para que fique palatável.

A idade ideal para se fazer uma prova longa não deve ser considerada apenas pelos anos de vida do corredor, mas pelo seu amadurecimento biológico.

Temos visto atletas jovens que correram e fizeram ótimos resultados, porém desapareceram. Talvez não estivessem adequadamente preparados.

Zola Buld foi um exemplo. Tive o prazer de conversar muito com ela após o Cross de Cinque Muline, e ela dizia que estava exausta de tantas competições, já naquela época.

Entendo que a participação do atleta em provas mais curtas condiciona o físico ao esforço maior, porém, correr maiores distâncias exige maturidade.

 

8 - Cuidado com a desidratação

Prof. Luis Tavares

Quando treinamos ou competimos perdemos muita água e sais minerais, por isso a importância de um repositor hídrico e sais minerais.

Abaixo, algumas dicas para evitar a desidratação:

- Consuma líquido antes, durante e depois do treino;

- Prefira líquido com minerais, como água-de-coco, isotônicos, suco de frutas e água mineral;

- Na ausência de um líquido que contenha sais minerais, pode ser acrescentado sal na água quando a atividade for prolongada;

- Nunca beba em grande quantidade de uma só vez;

- Para atividades longas, principalmente nos dias quentes, beba água fresca, quase gelada porque a absorção pelo organismo é imediata;

- É aconselhável nos exercícios prolongados repor glicose e considero muito boa a maltodextrina, na proporção de duas colheres de sopa para 500 ml de água.

Lembre que você deve tomar água sempre, mesmo não estando com sede, pois a sensação de “sede" é a primeira etapa de uma possível desidratação.

 

9 - Ovos orgânicos

Carlos Alberto da Silva

Rosana Varga Guidugli

As proteínas desempenham um papel importante na vida do atleta.

Se você precisa de pré-combustível com proteína e gordura ou precisar recuperar com carboidratos densos, ovos orgânicos contêm vitaminas e minerais, incluindo biotina, que transforma a alimentação em energia, e colina, que move o colesterol através da corrente sanguínea.

 

EDIÇÕES ANTERIORES

  outubro 2014agosto 2014julho 2014junho de 2014maio de 2014abril de 2014fevereiro de 2014, dezembro de 2013, novembro de 2013, outubro 2013setembro 2013agosto 2013julho 2013maio 2013abril 2013 , março 2013fevereiro 2013

 

Prof. Roberto Losada Pratti

Diretor do jornal Atividade Física

Leia as matérias do Dr. Ruggero

Bernardo Guidugli,

consultor de medicina e saúde,

no link Ruggero News