MATÉRIAS DE FEVEREIRO DE 2013 - NÚMERO 164

Atividade Física/JORNAL NORTEADOR

 

1) CORPORE

 

David Citrynowicz – Presidente da Corpore

Dr. Amadeu Armentano – Presidente do Conselho Deliberativo da Corpore

 

Prezado corredor(a)

Mais um ano se inicia e nós, juntos.

Faremos, como sempre, todo o possível para satisfazer suas expectativas.

Aí vai o calendário de 2013, sabendo-se que, por motivos independentes de nossa vontade, pode sofrer alterações.

DATA, PROVA, LOCAL, DISTÂNCIA

27.01 - Corrida Oral B - Prevenção do Câncer Bucal - Zona Norte - Campo de Marte - 7 km e 3 km

10.03 - Abertura Corpore - USP - 11 km e 5 km

06.04 - Marvel Experience Homem de Ferro Run - Sambódromo (Prova noturna) - 10 km e 5 km

14.04 - Meia Maratona Internacional Corpore da Cidade de São Paulo USP - 21,1 km e 5 km

12.05 - GRAACC - Assembleia e Região do Ibirapuera - 10 km e 3,1 km

02.06 - Ponte Estaiada - Marginal do Pinheiros - 10 km e 4 km

09.06 - Shopping União - Osasco-SP - 10 km e 5 km

15.06 - Prova Infantil - Constâncio ou Pacaembu

30.06 - Prova dos Bombeiros - Parque da Independência - Ipiranga - 10 km

04.08 - Meia Maratona de São Bernardo do Campo - Ginásio Poliesportivo 21,1 km e 5 km

11.08 - Centro Histórico de São Paulo - Vale do Anhangabaú - 9 km

17.08 - Revezamento Ilhabela - Ilhabela/SP - 105 km

01.09 - Duque de Caxias - Assembleia e Região Ibirapuera- 10 km e 3,1 km

08.09 - WTC - WTC e Ponte Estaiada - 15 km e 4 km

29.09 - RJ Classic - Aterro do Flamengo - 10 km e 5 km

06.10 - Shopping Aricanduva - 9 km

20.10 - M5k Feminina - São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Curitiba - 5 km

27.10 - 2ª Disney Magic Run - Jockey Club - 10 km e 3,1 km

09.11 - Prova Infantil - Constâncio ou Pacaembu

17.11 - Zumbi dos Palmares - Assembleia e Região do Ibirapuera - 10 km e 3,1 km

24.11 - Mexa-se - Santo André/SP - 10 km e 5 km

07.12 - Natal - Noturna - Pacaembu - 6 km

 

2) Novo presidente da FPA anuncia medidas para fortalecer o atletismo paulista

Mauro Chekin - Presidente da Federação Paulista de Atletismo

Menos de um mês após a posse no honroso cargo de presidente da Federação Paulista de Atletismo (FPA), nossa equipe convocou a mídia especializada para uma coletiva, nela delineando algumas das novas ações que pretendemos implantar na entidade.

Tais ações, óbvio, são todas voltadas para fortalecer a prática da modalidade considerada mães de todas as outras, pois lida com movimentos básicos do ser humano, como andar, correr, saltar, arremessar e lançar.

A FPA reúne um dos maiores calendários de atividades (pista, campo e rua) da América Latina.

Para fazer frente à realização de tantos eventos, precisamos buscar recursos junto a entidades públicas e privadas, além de dotar a administração da FPA de criatividade. Só com o dinheiro arrecadado com as mensalidades dos clubes associados, avançar como pretende a família do atletismo não seria possível.

Isso tudo tem como denominador comum a massificação da prática na sociedade e, principalmente, a uma participação de resultados nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016.

A adoção de algumas medidas, em caráter de urgência, se faz necessária.

Dentro da filosofia de aproximar o público das realizações, o que se pretende é o de integrar shows atrativos em meio às competições.

Baseado no que ocorre nos esportes americanos, a ideia é a de levar ídolos do esporte, como Fabiana Mürer e Maurren Maggi, para abrilhantar as provas. Os campeonatos serão mais curtos e dividirão espaço com apresentações culturais, como circo, bandas e até peças de teatro.

Estamos convictos de que precisamos fazer do atletismo um espetáculo, sem jamais deixar de lado a parte técnica, lógico.

Uma pesquisa norte-americana revela: 30% das pessoas que vão a jogos da NBA não gostam de basquete. São impactados pelas atrações paralelas, como restaurantes, líderes de torcida, presença de astros do cinema e televisão...

Ora, por que não tentarmos o método? Paulatinamente, estamos certos, ele haverá de vingar. Famílias levarão crianças que poderão se encantar com o esporte e seguir carreira. Muitos ídolos surgem assim, diga-se.

Corridas de rua

Vamos popularizar ainda mais as corridas de rua, hoje, a opção esportiva de maior popularidade pelo número de participantes.

Segundo pesquisa da FPA, o Estado de São Paulo tem mais de 400 competições do gênero por ano, contando com cerca de 150 mil fieis seguidores.

Vamos criar um circuito específico, baseado na mais absoluta segurança dos participantes pela adoção de conceitos mundialmente estabelecidos.

Fidelizar os atletas amadores será objetivo fundamental. Para quem se federar, nossa proposta é a de oferecer vários benefícios, como atendimento médico, odontológico, fisioterápico e até personal trainer.

Neste novo cenário, a meta da FPA é ter, em seu cadastro, algo em torno de 50 mil federados, com a previsão de dobrar tal número em 2014.

Como é do conhecimento, assumimos a presidência da Federação em novembro do ano passado, em substituição a José Antonio Martins Fernandes, o Toninho, cuja administração foi coberta de êxitos e acertos.

Dar continuidade a estradas devidamente pavimentadas por Toninho é imperioso, pois indicam rumo certo.

Assim sendo, incrementaremos a prática do atletismo nas escolas, levando saúde, educação, cultura e cidadania aos nossos jovens que, se incentivados, terão tudo para se constituírem em talentos.

Até o fim de nosso mandato, pretendemos entregar mais dez unidades do Centro de Excelência Esportiva, que é referência na formação de novos atletas e tem o apoio do governo bandeirante.

Marca própria

Observamos que há falta de atenção por parte de diversas empresas de material esportivo. Simplesmente elas não demonstram interesse por patrocinar a modalidade.

Os atletas de alto rendimento recebem patrocínio, mas os demais estão desamparados.

Cansados de esperar por parceiros, a FPA vai criar sua própria marca: a Athletics Federation SP.

Estamos, no momento, finalizando o processo de registro da marca e aguardando a autorização legal para começar a usá-la, dentro de uma proposta de marketing agressivo.

A estratégia é a de começar de forma simples, dentro de casa, lançando camisetas, shorts, agasalhos e outros produtos de maior acessibilidade.

Assim, uniformizaremos todos os nossos árbitros e categorias de base com a marca Athletics Federation SP.

Espero que muito em breve nossas lojas já estejam funcionando, tanto a online quanto a física, a ser localizada na própria sede da FPA.

Fácil não será. Mas utópico está longe de ser. Costumamos brincar com o pessoal da Federação dizendo que saberemos do sucesso da marca quando ela estiver sendo pirateada na Rua 25 de março...

Desde já, agradecemos o envio de sugestões dos aficionados do atletismo, dentro do sentido pró-ativo de fortalecermos ainda mais o nosso atletismo.

 

Mauro Roberto Chekin

Presidente da FPA e Gestor Esportivo

 

3) Corrida Benéfica de Super-resistência Ponderada

Prof. Roberto Losada Pratti – Diretor do jornal Norteador

Ariane Losada Pratti - Editora do jornal Norteador

A Corrida Benéfica de Super-resistência Ponderada foi lançada no dia 20 de dezembro de 2012, com o Congresso Técnico na Câmara dos Vereadores de São Paulo, Sala Sérgio Vieira de Mello, e com a corrida no dia 22 de dezembro de 2012, no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa.

O Congresso foi coordenado pelo Dr. Ruggero Bernardo Guidugli, médico especialista em medicina esportiva e corredor de longas distâncias, e pelo Osmar, do IPARTE.

A corrida foi de exibição com participação de atletas experientes de longas distâncias. Correram ininterruptamente 6 horas na pista de 400 metros no Centro Olímpico, na cidade de São Paulo. Alguns chegaram a 70 km e todos terminaram em boas condições, que é o objetivo dessa nova modalidade.

Corrida Benéfica de Super-resistência é a corrida em que o corredor termina em boas condições porque treina adequadamente, e esta corrida melhora ainda mais a condição física.

Isso ocorre porque a corrida feita de acordo com os limites aumenta a capacidade aeróbia, que é a capacidade de transformar os nutrientes em energia, permitindo correr grandes distâncias em perfeitas condições.

Leia sobre a teoria e essa modalidade no site www.super-resistencia.webnode.com

 

4) Ultrapassagem de limites e morte súbita em atleta

Dr. Ruggero Bernardo Guidugli - Consultor de Medicina e Saúde

A morte súbita de um atleta é sempre um fato catastrófico e extremamente preocupante com forte impacto social, e merecedor de investigações por parte da mídia e da comunidade científica.

O fato de a prática desportiva ser preconizada como fórmula da longevidade e da qualidade de vida, fazendo parte de programas de saúde, faz com que esses eventos sejam motivo de apreensão no meio esportivo e de todos que pregam a atividade física como o melhor fator para evitar doenças.

A incidência de morte súbita em atletas varia de 2 para 100 mil a 1 para 300 mil na Europa e Estados Unidos.

Segundo o Comitê Olímpico Internacional, com sede na Suíça, ocorrem aproximadamente 30 óbitos de atletas abaixo de 35 anos por ano. Há uma predominância do sexo masculino sobre o feminino (na proporção de 1 para 10).

Nos indivíduos acima de 35 anos, a grande maioria dos casos são cardiovasculares.

Entretanto, os achados de necrópsias apontam a causa metabólica por hipóxia ou acidose metabólica como causa de morte.

No Brasil, os esportes mais relacionados com a morte súbita são o futebol e o basquete.

Quase todos os óbitos ocorrem em indivíduos que tentam ultrapassar seus limites para alcançar vitórias, superação, bater recorde, premiação.

A má alimentação, o calor e a desidratação contribuem significativamente para o evento letal.

Recomendamos, portanto, a todos que praticam atividade física ou esportes competitivos, que não tentem ultrapassar os limites.

O evento sempre é precedido de instabilidade. Quando isso ocorrer, pare, se hidrate e procure assistência médica.

A atividade física é sempre benéfica para a saúde, mas não deve ser levada a extremos.

Praticá-la de forma agradável e tranquila, sem excessos, é fundamental.

Devem ser evitados fatores de risco: tabaco, álcool e hiperalimentação.

Uma vida saudável implica sempre em estilo de vida ativo, entretanto, não serão os extremos dessas atividades que sempre levarão à boa saúde.

A corrida é sempre benéfica para a saúde, respeitando os limites individuais.

Assim, a Corrida Benéfica de Super-resistência Ponderada (veja página 3) é benéfica, pois, mesmo com longos percursos, por definição, o corredor treina adequadamente, percorre grandes distâncias, não ultrapassa os limites e termina em perfeitas condições.

 

 

5) Bebeu água? Tá com sede?

 

Lenycia Neri - Nutri 4 Life

 

Com o calor do verão nossas perdas hídricas são bem maiores e assim precisamos repor esta água corporal perdida bebendo muitos líquidos.

Para a perfeita hidratação nada melhor do que a água, mas o ideal é consumi-la em pequenas doses, durante todo o dia, não adianta tomar dois litros de uma só vez, o excedente formará urina.

E quanto deve ser o total ingerido? 2 litros são realmente necessários?

Isso depende da sua atividade física, se é homem ou mulher (homens precisam de mais água, apesar de normalmente consumirem menos), da temperatura ambiente e umidade do ar. Em geral fala-se em 2 litros de água, mas pode chegar a 3 ou até 5 litros de água por dia.

Mas só vale a água?

Não, podemos nos hidratar com outros líquidos, como água de coco, chás, sucos naturais, mas o importante é controlar a quantidade de açúcar presente nestas bebidas. Já está comprovado que a obesidade infantil está relacionada com o excesso de consumo de bebidas açucaradas. Fique atento.

E para o treino, quanto beber de água para reidratar?

Faça um teste simples. Pese antes e depois da corrida, a diferença de peso é desidratação. Para repor os líquidos perdidos, beba o equivalente a 150% da diferença do peso.

Por exemplo: um homem pesa 70 kg antes da corrida, depois ficou com 69 kg, perda de 1 kg. Deverá beber para repor 1,5 litros de água ou repositor hidroeletrolítico.

Tome cuidado com a hidratação e não passe mal no verão.

 

 

6) Corridas sempre foram aliadas de Aurélio Miguel

Aurélio Miguel - Paulo Bueno - Amadeu Armentano - Corrida do Centro Histórico

A mais básica das atividades físicas

O judoca campeão olímpico Aurélio Miguel (Seul-1988) sempre utilizou as corridas como uma das mais importantes ferramentas para alcançar a boa forma necessária para suas lutas. “Foi através dessa modalidade de exercício que sempre busquei alcançar forma física adequada para meus combates. Além de favorecer a musculatura, conseguia inestimável benefício cardiorrespiratório”, explicou o judoca que hoje atua como vereador na Câmara Municipal de São Paulo.

Ainda hoje, sempre que a apertada agenda política permite, ele “dá suas corridinhas”, como revela.

Quando no auge de sua carreira esportiva, Aurélio Miguel se dedicava a treinos intensivos nos quais incluía muitos quilômetros por dia. “A distância e a velocidade dependiam sempre do estágio em que me encontrava, dos treinos e a que tempo estava das competições. Sempre seguindo a receita de um preparador físico”.

O judoca lembra que o esforço físico exigido nessas corridas, muitas vezes para “entrar no peso”, era compensado pela característica desestressante que é correr ao ar livre. “Fiz isso nos mais diversos cenários, no mundo todo e sob os mais variados climas. Experimentei correr embaixo do sol escaldante do deserto e pisando em neve. De qualquer modo, utilizando os benefícios da corrida”, comentou.

Sempre que pôde, o também medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Atlanta (1996) participava de maratonas oficiais e corridas como a tradicional São Silvestre. “Nessas provas, além de buscar trabalhar o físico eu curtia participar da verdadeira festa esportiva que são esses eventos. Aproveitava também para correr ao lado de feras da modalidade”, lembrou. Nos últimos anos ele tem acompanhado de perto boa parte das corridas de rua organizadas pela Corpore e as ultramaratonas.

Apoio de quem conhece e pouco caso de quem não sabe

Na condição de esportista e de vereador da maior cidade do País, Aurélio Miguel tem feito o que pode para colaborar com os que praticam as mais variadas modalidades de esporte na capital paulista. “Aprovei na Câmara Municipal de São Paulo o Projeto de Lei 0242/2006 que livra as corridas de rua das pesadas taxas que são cobradas pela Companhia de Engenharia de Trafego (CET). Isso foi em 2006. No mesmo ano e após duas votações e aprovações na Câmara o texto foi vetado pelo prefeito Gilberto Kassab, numa atitude que revelou o pouco caso como o esporte é visto por esse tipo de autoridade”, explicou Aurélio. A cobrança de tal taxa onera demasiadamente as corridas de rua que, por característica, são populares e que dessa forma acabam se tornando caras para boa parte dos participantes.

Em pleno recesso parlamentar, Aurélio Miguel vai aproveitar os raros momentos de folga em seu calendário de atividades para voltar às corridas. “Tenho que entrar em forma novamente. Temos um ano pesado pela frente e a condição física é muito exigida também nos trabalhos legislativos. A corrida é o mais básico e fundamental dos exercícios. E para praticá-la basta um par de tênis e disposição. Mais nada”, completou.

 

 

 

7) Lesões esportivas: previna-se!

 

Dr. Evaldo Bosio Filho – Fiseoterapeuta especialista em atletas de corrida

 

“Comecei a correr há três meses para controlar o peso, mas peguei gosto pela corrida. Antes eu rodava 10 km por semana, duas vezes na semana, hoje estou rodando uma média de 80 km por semana, mas tive que me afastar dos treinos, pois estou lesionado e preciso de tratamento para poder voltar a treinar e competir”.

Relatos como estes são constantes e vem aumentando.

Exageros causados pelo excesso de treinamento ou treinamento errado são uma das causas do “boom” de pacientes novos nas clínicas e consultórios de Fisioterapia todos os meses.

Tendinites/tendinopatias, fratura por estresse, canelite, fasceíte plantar, estiramento muscular, entre outras, têm feito parte da vida cotidiana de praticantes de corrida.

Procurar um treinador ou uma assessoria esportiva é muito importante. Porém, muitos ainda insistem em treinar por conta própria, pelos mais diversos motivos. São esses atletas os maiores consumidores de planilhas de treinamento.

Todo treinamento deve ser individualizado e personalizado, respeitando os objetivos, individualidade e fisiologia de cada pessoa, mas nem sempre isso acontece. Tenho certa resistência às planilhas de treinamento distribuídas em meios de comunicação justamente por serem planilhas gerais e não individualizadas, podendo acarretar lesões sérias no praticante de corrida.

Papel do fisioterapeuta

A Fisioterapia Esportiva não tem o papel de apontar culpados pelas lesões, apenas nos baseamos em dados científicos e perfil epidemiológico de lesões em determinados esportes para podermos traçar condutas e orientações preventivas para a temporada seguinte. Com o índice crescente de lesões, a Fisioterapia Esportiva desponta como uma grande aliada, atuando na prevenção e reabilitação das lesões esportivas, bem como das diversas lesões e patologias que acometem o sistema músculoesquelético (aparelho locomotor).

Dentre as funções do fisioterapeuta esportivo que atua com atletas de corrida, podemos destacar o auxílio durante a fase de preparação, quando o fisioterapeuta trabalha em conjunto com o treinador do atleta, realizando trabalhos de avaliação e correções posturais. Avaliações através do conhecimento de Anatomia, Biomecânica, Cinesioterapia e Propriocepção. São realizados trabalhos preventivos de reequilíbrio muscular e articular, para reduzir os riscos intrínsecos e fatores que podem pré-dispor lesões esportivas.

Correr é uma das atividades físicas mais completas, onde exercitamos o corpo, coração e a mente, trazendo excelentes benefícios para a saúde, prevenindo diversos males e doenças.

Lembre-se, prevenir sempre será a melhor solução. Não transforme o prazer em correr em lesão.

 

8) DE BEM COM SUA HÉRNIA DE DISCO

Técnica não-cirúrgica revoluciona ao incorporar tecnologia ao tratamento das patologias da coluna vertebral.

 

Cerca de 36% da população brasileira sofre com problemas na coluna, e apenas 68% buscam tratamento, segundo dados da Fiocruz.

O diagnóstico mais frequente é a hérnia de disco, cujo surgimento é muito comum a partir da quarta década de vida. Estudos apontam que, depois dos 45 anos de vida, inicia-se um processo degenerativo no último disco da região lombar, que pode levar a sintomas como a dor, que pode ser localizada na coluna ou irradiada para a perna ou para o braço, associada à dormência, formigamento e até perda de força.

Outro dado importante referenciado por pesquisas médicas indica que apenas de 5% a 10% dos casos de hérnia de disco são resolvidos com cirurgia. Os demais obtêm resultados positivos por meio de tratamento conservador com medicamentos e fisioterapia.

Dentre as técnicas Fisioterapêuticas disponibilizadas, destaca-se a Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral (R.M.A da Coluna Vertebral), um método que associa Fisioterapia manual à tecnologia de mesas de tração e descompressão e exercícios de estabilização vertebral. “O diferencial desta técnica está no uso da tecnologia para promover a descompressão das estruturas intervertebrais da coluna, bem como o fortalecimento específico dos músculos que dão sustentação a ela”, informa o Fisioterapeuta Helder Montenegro, diretor do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral (ITC Vertebral).

“Minhas dores na coluna eram terríveis e se estendiam pela perna, mas após esse tratamento consegui obter uma melhora significativa na minha qualidade de vida”, diz a professora Joana Costa, de 52 anos, que se beneficiou com o tratamento.

De tão eficiente, o programa R.M.A. da Coluna Vertebral já realizou mais de 5 mil atendimentos e apresenta hoje 87% de bons resultados, começou a atrair o interesse de pacientes por todo o país. Hoje, o ITC Vertebral está presente em 34 cidades e possui 46 clínicas no Brasil, incluindo a cidade de São Paulo.

 

 

9) Tecnologia

 

Prof. Luis Tavares

A cada ano cerca de 17% novos corredores ingressam no mundo das corridas, mas a maioria corre sem nenhuma orientação ou acaba migrando para a tecnologia como Ipod, GPS, planilhas de revistas, etc.

Nada impede que se opte por esses caminhos da tecnologia, mas entendo que esses meios devem ser utilizados de forma complementar. Falo isso porque não somos uma máquina e cada organismo tem suas particularidades.

Entendo que saúde é coisa séria e para a prática de atividade física segura há necessidade de buscar orientação de uma pessoa habilitada e com inscrição no CREF (Conselho Regional de Educação Física).

A Equipe Tavares está com pacotes de viagens para principais provas do Brasil, maiores informações em nosso site www.ectavares.com.br

 

 

10) Diário de treinamento

Prof. Carlos Gomes Ventura - Técnico de Atletismo bicampeão da São Silvestre

O diário de treinamento do corredor fundista pode ajudar a mostrar falhas no planejamento do treinamento, no controle dos seus batimentos cardíacos, no controle da alimentação e da hidratação e também quando ocorrem problemas de ordem física e emocional.

A grande maioria dos fundistas de rua treina de forma empírica apenas correndo e nada mais, muitas vezes não respeitando seu físico e também sem um diário de anotações.

O corredor de rua deve saber que sua programação tem objetivos e estes objetivos não devem ser mudados aleatoriamente, mas sim de maneira organizada dentro dos padrões que a fisiologia sugere.

Todo trabalho pode ruir por falta de registro de comunicação entre treinador e atleta.