DEZEMBRO 2014

MATÉRIAS DE DEZEMBRO DE 2014 DO JORNAL ATIVIDADE FÍSICA, NÚMERO 182

 

1 - Corpore

Dr. David Cytrynowicz - Presidente da CORPORE

Dr. Amadeu Armentano - Presidente do Conselho Deliberativo

Prezado(a) corredor(a),

Fim de mais um ano gregoriano, natal, contagem regressiva, hora boa para refletir e, em nosso caso, além das reflexões de cunho pessoal, seria interessante que atentássemos quanto ao nosso esporte, a corrida, ou melhor, no esporte como um todo.

Por que praticá-lo, difundi-lo, tê-lo como estilo de vida?

Respostas várias, várias respostas para uma gama de razões vezes óbvias, outras nem tanto.

Saúde como prevenção, como terapia, inclusão social ou simplesmente a prática da modalidade escolhida, competindo em alto nível ou pelo prazer.

Tenho como verdade que o esporte seja o melhor caminho para evitar descaminhos, cultivar valores, aprender a superar obstáculos, disciplina, respeito ao próximo, humildade, garra, dar o devido valor ao ser, mais do que ao ter.

Poderia elencar mais, muito mais, mas escolhi uma reflexão de Nelson Mandela, que expressa num sentido maior as grandezas da arte e do esporte:

“Arte e esporte têm o poder de mudar o mundo, o poder de inspirar, o poder de unir pessoas como poucos conseguiram. Arte e esporte podem criar esperança onde antes só havia desespero. São instrumentos de paz muito mais poderosos do que governos".

Que todos nós tenhamos um Feliz Natal, sendo ou não cristão, atentando para o significado da data, que passa muito longe do consumismo.

Que 2015 venha revestido da consciência que necessitamos ter a respeito do que nos circunda.

A felicidade normalmente é consequência de nós mesmos.

Abraços

Armentano

2 - Futebol e a matemática do z4, sem foco na saúde

Roberto Losada Pratti – Diretor do jornal Atividade Física

O indivíduo nada interfere em uma partida de futebol quando assiste pela TV.

Se está isolado e alheio ao jogo, quando sabe do resultado do seu time fica alegre ou triste e muda seu comportamento.

Ser rebaixado no Campeonato Brasileiro de Futebol da série A é sinônimo de tristeza, derrota, humilhação, zombaria e é uma tragédia.

Nesse campeonato são 20 equipes e 4 são rebaixadas.

Rebaixado significa diminuir, cair, ir para uma divisão inferior, ser inferior.

Pela regra, 4 times serão desprezados automaticamente, o que significa uma porcentagem de 20%. Contando com os clubes que ficam perto do z4 em algum momento do campeonato, mais da metade são atormentados pelo z4. Assim, matematicamente é garantido que sempre tem gente sofrendo.

Quem decide isso não é a lei divina, são as autoridades do futebol, e às vezes um dirigente sozinho.

Resumindo, o futebol absorve valores sociais como competitividade, autoridade, superioridade, vencer, ser melhor do que outro.

O atleta precisa estar preparado fisicamente, mas o foco não é sua saúde, muito pelo contrário, lesões são rotina na vida do jogador.

Esse futebol é um jogo, o que importa é o resultado e não visa a saúde.

Porém, o futebol é uma atividade física que praticada adequadamente melhora a condição física.

Quem assiste fica parado, sedentário.

Torça para seu time e pelo futebol arte, compre camisa e bandeira, leve alegria ao estádio e ao seu convívio independente do resultado do jogo e dos pontos no campeonato.

Interfira na sua vida. Jogue bola ou escolha uma atividade física, pratique e tenha saúde e qualidade de vida.

 

3 - Idoso ativo e políticas públicas de prevenção

Dr. Ruggero Bernardo Guidugli – Consultor de medicina e esporte

www.atividadefisica.net/ruggero-news

O envelhecimento é processo complexo que envolve uma interação de fatores que determinam diminuição e modificação de estruturas funcionais no organismo.

O aumento da idade não significa implantação de doença, mas apenas alteração de capacidade funcional que pode ser facilitada por inúmeros fatores de risco como sobrepeso, obesidade, alimentação não saudável e particularmente sedentarismo.

O aumento contínuo da população idosa no Brasil necessita não só de implemento de uma medicina preventiva rigorosa, mas principalmente de políticas públicas voltadas para a prevenção e qualidade de vida do idoso.

O contínuo crescimento das cidades tem como consequência a diminuição de espaços favoráveis para a prática da atividade física e de lazer. Este fato associado a problemas sociais como violência urbana elevada, jornada de trabalho e facilidades tecnológicas favoreceram a adoção de hábitos sedentários.

O sedentarismo é reconhecido mundialmente como o principal fator de risco para as doenças, inclusive as neoplásicas.

Portanto, vemos com bons olhos a implantação de políticas públicas direcionadas principalmente para prevenção, tanto para a qualidade de vida da população idosa como para a diminuição de gastos com saúde.

 

4 - Receita e fórmula da saúde

Dr. Ruggero Bernardo Guidugli – Consultor de medicina e esporte

A receita para obter saúde é simples e caseira: mantenha-se sempre em atividades físicas e mentais; evite a comodidade e a inatividade; afaste-se do tabaco, álcool e drogas; tenha uma alimentação saudável rica em água, frutas e verduras; mantenha um peso adequado evitando a obesidade; evite poluição; evite estresse; mantenha sempre um bom relacionamento com as pessoas.

O jornal Atividade Física, com base na sua linha jornalística, criou a fórmula geral da saúde: FGS.

Sejam AF = Atividade Física; HS = Hábitos Saudáveis; AS = Alimentação Saudável; S = Sociabilidade; D = Drogas; E = Estresse; O = Obesidade; SQV = Saúde e Qualidade de Vida.

Se os fatores benéficos forem acrescentados e os prejudiciais forem tirados, surge a fórmula da saúde:

Fórmula Geral da Saúde: FGS

AF + HS + AS + S – D – E – O = SQV

 

5 - Lei antifumo entra em vigor e não tira o direito de fumar

Ariane Losada Pratti – Redatora do jornal Atividade Física

A Lei Antifumo, Decreto nº 8.262 de 31 de maio de 2014, entrou agora em vigor após 180 dias da sua publicação no DOU.

Essa lei altera o Decreto nº 2.018 de 1996 que dispunha sobre restrições ao uso e propaganda de produtos fumígenos.

A nova lei redefine recinto coletivo fechado no artigo 2º como local público ou privado, acessível ao público em geral ou de uso coletivo, total ou parcialmente fechado em qualquer de seus lados por parede, divisória, teto, toldo ou telhado, de forma permanente ou provisória e proíbe o uso de cigarros nesses recintos no artigo 3º, extinguindo assim, por exemplo, os “fumódromos”.

O artigo 7º reza que a embalagem não pode associar o produto a atividades culturais ou esportivas.

Mas a lei não tira o direito de fumar e hoje estima-se que, apesar  de a porcentagem de fumantes ter diminuído, 11% ainda fumam no Brasil.

Fumar foi considerado em certa época um ato bonito, porém, os riscos à saúde fizeram com que o cigarro passasse de mocinho a vilão.

 

6 - Título do Brasileiro Caixa de Mirins Interclubes é do Centro Olímpico. É de São Paulo!

Mauro Roberto Chekin 

A FPA gostaria de parabenizar a equipe do Centro Olímpico, de São Paulo, pela conquista do título de campeã do Campeonato Brasileiro Caixa Interclubes de Mirins de Atletismo.

A vitória do Centro Olímpico enobrece ainda mais a imagem vencedora da FPA e do atletismo bandeirantes.

No estádio Adhemar Ferreira da Silva, o time campeão somou 134,5 pontos.

O Brasileiro Caixa de Mirins reuniu cerca de 800 atletas de 121 equipes de todas as regiões do País. Foi organizado pela CBAt, com patrocínio da Caixa, apoio do Governo do estado de São Paulo, da Prefeitura do Município de São Paulo e da FPA.

Clínica e Festival de MiniAtletismo

Vale ressaltar, ainda, que por sua excelente infraestrutura o Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa foi escolhido pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) como palco de uma Clínica e de um Festival de MiniAtletismo.

O evento teve parceria com a Prefeitura de São Paulo e a Fundação Nestlé. E contou com a participação de 43 professores da área de Educação Física, reunindo 80 crianças de 8 a 10 anos, alunos das escolas administradas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo.

As aulas teóricas foram dadas no auditório do Centro Olímpico, com toda a estrutura necessária para a clínica, que teve o técnico Kiyoshi Takahashi como dissertante.

Para as aulas e o festival, realizado na pista Adhemar Ferreira da Silva, foram utilizados material pedagógico alternativo, a partir de garrafas pet, caixas de papelão, bambus, sacos plásticos, cabos de vassoura, jornal etc.

Segundo a CBAt, o Festival de MiniAtletismo foi bastante participativo, desde o aquecimento das crianças até os circuitos de atividades, com os alunos sendo divididos em grupos. Ao final, as crianças ganharam lanches e receberam medalhas de participação.

O MiniAtletismo é um projeto desenvolvido por especialistas de vários países para a IAAF (Associação Internacional de Federações de Atletismo) e implantado no Brasil pela CBAt.

O objetivo é formar profissionais e levar a prática do esporte ao maior número de crianças e adolescentes em idade escolar.

A Fundação Nestlé é o patrocinador mundial do projeto, administrado pela IAAF, por meio do Programa Nutrir.

 

7 - Minutos de corrida em ritmo confortável para iniciantes

Mauro Saccomani – www.atividadefisica.net/mauro-saccomani-escreve

Amigos da Corrida,

Correr em ritmo confortável e constante quase sempre é muito bom, principalmente se você está começando no mundo das corridas.

Considerem que correr 15 minutinhos contribui para manter o preparo físico.

Se está começando, tente fazer o seguinte: corra sempre dentro do seu limite.

Se você tem 15 minutos, alterne trechos de 15 a 60 segundos de corrida leve com 30 a 60 segundos de caminhada durante 10 minutos. Nos últimos 5 minutos, alterne 10 a 30 segundos de corrida em ritmo médio e termine o treininho trotando levezinho até completar os seus 15 minutos.

Se você tem 30 minutos, comece alternando de 30 a 60 segundos de corrida leve com 30 segundos de caminhada durante 10 minutos, depois, por 10 minutos, corra de 1 a 2 minutos, caminhe 30 a 60 segundos e corra novamente. Em cada bloco comece bem confortável e aumente a velocidade aos poucos para não lesionar, até completar os 30 minutos disponíveis.

Se você já está melhor preparado e dispõe de 45 minutos, experimente uma corrida em que você completa a segunda metade mais rápido do que a primeira. Escolha um percurso em que possa correr um pouco acima do trote confortável na mesma direção por cerca de 25 minutos com pouca ou nenhuma interrupção. Alterne corrida e caminhada. Depois de 23 a 25 minutos, dê meia volta e entre no ritmo progressivo. A ideia aqui é chegar onde você partiu em 45 minutos.

Nunca esqueça de alongar antes de começar, e se você não se exercita há muito tempo, faça seu check-up primeiro. Assim ficará bom pra todo mundo, e corra feliz.

 

8 - Corrida, mito do muro e treino adequado

Prof. Carlos Gomes Ventura

Segundo o conceito de muitos atletas e treinadores, em uma prova ou treinamento de longa distância, em determinado momento o atleta encontrará um muro pela frente.

Segundo alguns teóricos, este muro poderá aparecer no km 32, outros acreditam que o muro aparecerá nos km 28 ou 29.

Isto, via de regra, acaba se transformando em um problema mental e afeta o desempenho do corredor, atingindo principalmente sua condição emocional e consequentemente física.

Em verdade, este falado muro não passa de um mito.

O muro que estou citando pode aparecer em qualquer distância da prova.

 Na minha opinião, o muro aparece sempre que o individuo não está bem preparado fisicamente ou mal treinado.

O muro é a falta de condição do corredor, a falta de um preparo adequado.

Vemos em provas pedestres centenas de atletas após concluírem a prova dizendo que encontraram muitas dificuldades na corrida.

Alguns dizem que depararam com este muro e por isso tiveram um desempenho não satisfatório.

O muro existe, existe para atletas mal treinados, mal alimentados, não descansados.

Observamos, por exemplo, quando termina a São Silvestre atletas declarando “que a Brigadeiro acabou comigo”. Poderiam até dizer não treinei direito, não estava preparado, mas não dizem.

O treino de atletismo é uma ciência que não dá lugar para corridas de forma empírica e excesso de desculpas dos atletas e até de alguns treinadores.

Há corredor que não está em boas condições mas inscreve-se e vai participar. Depois alega vários motivos por não terminar ou ter baixo desempenho.

Seja inteligente, inscreva-se em uma prova e a faça sabendo de sua condição física, e honestamente saiba que desculpas após a prova não devem existir nunca.

Treine adequadamente e faça uma boa prova.

 

9 - Descanso pode evitar lesões na corrida

Prof. Luis Tavares

É comum encontrar atletas que estão no limite da exaustão e/ou machucados nesse final de ano, às vezes, por falta de descanso.

 Se um atleta bem treinado tirar férias de 15 a 30 dias nessa época readquirirá a forma em aproximadamente 45 dias e estará apto a competir por volta do dia 20 de março.

Se não descansar no mês de janeiro estará desgastado em março e próximo de uma lesão, se já não estiver lesionado.

Você se inscreve em todas as competições porque a camiseta e a medalha são bonitas?

O ideal para competir bem e principalmente ter boa qualidade de vida, diminuindo a possibilidade de se machucar, é tomar alguns cuidados.

Descanse nas férias. Como a baixa temporada de provas é em janeiro, aconselho descansar nesse período.

Planeje as provas principais e secundárias. O ideal é escolher de 8 a 10 provas para tempo e 12 provas menos importantes para ritmo.

Maratonistas devem fazer no máximo duas maratonas no ano em um espaço de pelo menos 4 a 6 meses entre elas.

Com essas dicas básicas você terá uma vida atlética maior e não se machucará.

 

10 - Cardiopatia - cirurgia no caração é complexa e pode ser evitada principalmente na terceira idade                                                                     com vida ativa, atividade física e hábitos saudáveis

Rosa Domingues Stancati

Doenças coronárias não ocorrem somente em homens e em idosos. Hoje, mulheres jovens também são vítimas de cardiopatias.

Existem artérias coronárias que podem ser obstruídas e até levar a óbito.

A obstrução pode ser causada pelo acúmulo de substâncias gordurosas nas paredes das artérias do coração.

Se a obstrução for pequena, o tratamento pode ser clínico com remédios e controle da alimentação.

Se o problema for em uma única artéria, pode ser colocada uma placa metálica chamada stent.

Em casos mais graves só a cirurgia pode salvar.

A ponte de safena é a cirurgia que utiliza a safena, que é uma veia da perna, para desviar o sangue para as artérias.

Todos esses procedimentos têm alto custo, causam sofrimento ao paciente e à família, e têm riscos.

Na terceira idade os riscos são maiores.

Mas tudo isso pode ser evitado e os riscos minimizados de forma simples e sem custos, ou melhor, gastando menos que o normal.

Por exemplo, substituindo a alimentação não saudável e cara por frutas e verduras da época. Isso evita o acúmulo de gordura nas artérias, não haverá obstrução arterial e o coração ficará saudável.

Idoso não paga passagem de transporte público e tem vaga exclusiva para automóvel, mas isto pode ser uma desvantagem, se puder, faça o percurso caminhando.

Vida ativa, atividade física e hábitos saudáveis evitam problemas e proporcionam saúde e qualidade de vida em qualquer idade.

 

 EDIÇÕES ANTERIORES

 novembro 2014outubro 2014agosto 2014julho 2014junho de 2014maio de 2014abril de 2014fevereiro de 2014, dezembro de 2013, novembro de 2013, outubro 2013setembro 2013agosto 2013julho 2013maio 2013abril 2013 , março 2013fevereiro 2013

 

Prof. Roberto Losada Pratti

Diretor do jornal Atividade Física

Leia as matérias do Dr. Ruggero

Bernardo Guidugli,

consultor de medicina e saúde,

no link Ruggero News